quinta-feira, 14 de setembro de 2017


 
Apóstolos e profetas em Efésios 2.20 e 3.5
Álvaro C. Pestana
2017
Síntese:
Apóstolos e profetas em Efésios 2.20 e 3.5 são os primeiros agentes da revelação divina, são dons dados aos homens para o serviço do corpo de Cristo: apóstolos, profetas, evangelistas, pastores-mestres (Ef 4.11). A frase em Efésios 2.20 agrupa estes dois diferentes dons em uma mesma categoria pelo fato do texto grego dizer “dos apóstolos e profetas” e não dizer “dos apóstolos e [dos] profetas”. O mesmo ocorre em Efésios 3.5 onde eles são chamados de “aos santos apóstolos dele e profetas” e não diz “aos santos apóstolos dele e [aos] profetas”. Assim, embora os termos e refiram a dois grupos diferentes da igreja antiga, ambos os grupos estão fazendo parte do “fundamento” da igreja antiga: são parte do início irrepetível da obra reveladora de Cristo: os apóstolos de Cristo e os profetas de Cristo iniciaram a revelação do mistério oculto por séculos, agindo emissários de Cristo.

Introdução:
O texto de Efésios 2.20 e 3.5 menciona apóstolos e profetas. Algumas questões são levantadas sobre este texto:

1.    Quem são os profetas? Profetas do Velho Testamento, do Novo Testamento ou de ambos?
2.    Quem são os apóstolos? Trata-se dos Doze apenas ou se pensa em um grupo maior?
3.    Que tipo de ligação gramatical e teológica há entre os apóstolos e profetas no texto proposto? A tradução de “profeta-apóstolo” é possível?
4.    O que este texto ensina sobre a possibilidade da existência atual de “apóstolos” e “profetas” nas igrejas de Cristo?

Estas questões serão estudadas à partir dos textos gregos, das traduções e dos intérpretes. Daremos especial atenção à teoria de Wayne Grudem (2004) que, ao nosso ver, tem percepções positivas, mas que se tornam problemáticas pelo uso de pressupostos anacrônicos na avaliação do sentido do texto: Grudem introduz no texto uma problemática historicamente posterior e irrelevante para o público original.

O texto de Efésios 4.11 será analisado em conjunto com os outros tendo em vista a menção dos apóstolos e profetas na mesma Epístola aos Efésios.

Discussão:
Apresento aqui, os três versos na tradução de Almeida, Revista e Atualizada, com o texto grego (Nestle-Aland 28a Ed.). Em negrito a expressão sob nossa atenção.

ARA - Efésios 2.20 = edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular;
Efésios 2.20 = ἐποικοδομηθέντες ἐπὶ τῷ θεμελίῳ τῶν ἀποστόλων καὶ προφητῶν, ὄντος ἀκρογωνιαίου αὐτοῦ Χριστοῦ Ἰησοῦ,

ARA - Efésios 3.5 = o qual, em outras gerações, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como, agora, foi revelado aos seus santos apóstolos e profetas, no Espírito,
Efésios 3.5 = ὃ ἑτέραις γενεαῖς οὐκ ἐγνωρίσθη τοῖς υἱοῖς τῶν ἀνθρώπων ὡς νῦν ἀπεκαλύφθη τοῖς ἁγίοις ἀποστόλοις αὐτοῦ καὶ προφήταις ἐν πνεύματι,

ARA - Efésios 4.11 = E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres,
Efésios 4.11 = Καὶ αὐτὸς ἔδωκεν τοὺς μὲν ἀποστόλους, τοὺς δὲ προφήτας, τοὺς δὲ εὐαγγελιστάς, τοὺς δὲ ποιμένας καὶ διδασκάλους,

As opções interpretativas lógicas possíveis são as seguintes:

1.    “Apóstolos de Cristo e Profetas do Velho Testamento”
2.    “Apóstolos de Cristo e Profetas do Novo Testamento”
3.    “O ensino dos Apóstolos de Cristo e dos Profetas do Velho Testamento”
4.     “O ensino dos Apóstolos de Cristo e dos Profetas do Novo Testamento”
5.    “Apóstolos que são profetas”

Wayne Grudem (2004, p. 56 e 423) discute o sentido de “apóstolos e profetas” em Efésios 2.20 e 3.5, afirma-se que há 4 pontos de vista sobre a questão. Ele omite a distinção entre os itens (3) e (4) acima. De fato, esta distinção não foi detectada na literatura consultada de forma que resultado foi tabulado abaixo:


#
Interpretação
Intérpretes
1
Apóstolos
e profetas do VT
Jamielson; Fausset; Brown (1961, p. 1286), Lenski (1961, p. 451-453).
2
Apóstolos
e profetas do NT
Robinson (1904, p. 163), Wood (1981, p. 42), Weed (1984, p. 144), Bruce (1984, p. 304), Martin (1983, p. 169-170), Dickson (1987, p. 528), Lincoln (1990, p. 154), Wood (1994, p. 762), Patzia (1995, p. 195).
3
Ensino dos apóstolos e profetas do VT

4
Ensino dos apóstolos e profetas do NT
Bengel (1877, p. 80), Simpson (1957, p. 66).
5
Apóstolos-profetas
Grudem (2004, p. 54-60), Turner (1994, p 1232-1233)

Embora o levantamento acima seja parcial, provavelmente é indicativo das tendências dos intérpretes. O que se observa, para começar, é:
1.    A maioria entende que apóstolos e profetas se referem a diferentes grupos de pessoas
2.    Dentre estes últimos, uma minoria entende que os profetas são os do Antigo Testamento
3.    A maioria vai entender que os profetas mencionados são os profetas cristãos da igreja primitiva.
4.    Ainda uns poucos vão dizer que o fundamento não são os apóstolos e profetas em pessoa, mas a mensagem que eles pregaram, fazendo assim uma distinção ou uma especificação do sentido de sua participação no “fundamento” da igreja.
5.    A posição assumida por Grudem e seguida por Turner é difícil de ser encontrada em outros intérpretes.

Numa análise das traduções bíblicas em português (e também em outras línguas) a conclusão é a muito similar.

Ninguém transformou a interpretação de Grudem em tradução. Até ao consultar uma obra que compara 26 traduções inglesas em uma sinopse única (VAUGHAN, 1967, p.872), nenhuma das 26 versões analisadas opta pela tradução que Grudem defende.

O normal é que as traduções indiquem ou permitam as quatro primeiras interpretações, mas nenhuma chega a indicar ou sugerir a tese de Grudem.
As 18 traduções portuguesas consultadas sobre Efésios 2.20 (em anexo) podem ser tabuladas da seguinte forma:

Tipo
#
Texto da tradução
Versões
Total
A
1 e 2
dos apóstolos
e profetas
ARA, TB, AveMaria, Pastoral, NovaPastoral.
5
B
1 e 2
dos apóstolos
e dos profetas
ARC, ACF, A-IBB, JFA-Atualizada, KJA, NVI, BJ, TEB, CNBB, Capuchinhos.
10
C
3 e 4
ensino dos apóstolos
e dos profetas
NTLH, OLivro.
2
D
5
dos apóstolos-profetas
Nenhuma.
0
E
?
dos apóstolos (sic.)
Peregrino.
1

As duas leituras mais tradicionais A e B (1 e 2) são claramente majoritárias no entendimento dos tradutores. A leitura C (3 e 4) que enfatizam o “ensino” como fundamento e não as pessoas, aparece em algumas versões em português. Novamente, ninguém endossou ou imaginou a tradução D, “apóstolo-profeta” (5) defendida por Grudem.

Uma surpresa foi a tradução E oferecida pela Bíblia do Peregrino. Ela mais parece um erro, pois ele omite completamente a expressão “e profetas”. Alguém poderia supor que o autor da tradução estivesse defendendo a unidade “apóstolo-profeta” apresentada por Wayne Grudem, contudo, seria um modo muito incomum de fazer isto. Como a versão não deixa nenhuma nota de rodapé explicativa sobre isto, a suposição é que se trata de um erro de impressão ou até de tradução.

tipo
Texto da tradução
Possível significado
A
dos apóstolos
e profetas
Enfatiza a unidade do grupo: um artigo grego regendo duas palavras unidas pela conjunção aditiva “e”, normalmente transmite a ideia de alguma unidade.
B
dos apóstolos
e dos profetas
Enfatiza a distinção de um grupo do outro. No grego, o segundo “dos” não existe.
C
ensino dos apóstolos
e dos profetas
Enfatiza que o fundamento não é composto pelas pessoas, mas pelo ensino
D
dos apóstolos-profetas
Quer afirmar que os apóstolos são profetas, ou seja, não dois dois grupos unidos, mas um grupo com duas funções.
E
dos apóstolos (sic.)
Possível erro de impressão ou tradução

Os textos gregos manuscritos não têm nenhuma hesitação ou variação que fizesse os tradutores optar por repetir a palavra “dos” antes de apóstolos e de profetas: “dos apóstolos e dos profetas”. Logo, tratou-se de uma opção do tradutor por questão de estilo e por não julgar importante manter qualquer noção de unidade ou identidade

Assim as traduções do tipo A acima são as mais literais e mais próximas do texto grego.

Aproveitemos para responder as questões que iniciaram nossa pesquisa:

Quem são os profetas? Profetas do Velho Testamento, do Novo Testamento ou de ambos?

Tudo aponta para os profetas do Novo Testamento por várias razões:

(i) Em primeiro lugar, o texto fala de “apóstolos e profetas”. Ora se estivesse falando dos profetas da Velha Aliança, a ordem natural da frase seria: “profetas e apóstolos”.
(ii) Em segundo lugar, o contexto fala, sobretudo em Efésios 3.5, que o mistério revelado “agora” pelos “apóstolos e profetas” não havia sido dado a conhecer nas “gerações passadas’, logo, isto exclui completamente os profetas da Velha Aliança.
(iii) Em terceiro lugar, a evidência adicional de que se tratam dos profetas cristãos vem de Efésios 4.11 onde eles são citados após os apóstolos como dotados de dons para a igreja.

Alguns tentam dizer que são os profetas do Velho Testamento pelas seguintes razões:

(i) Um argumento é que o mistério do evangelho foi revelado nos textos proféticos do Velho Testamento, logo, não se pode dizer que os profetas não sabiam do “mistério” do evangelho.
(ii) Depois, a dupla “apóstolos e profetas” seria o equivalente a “Novo Testamento e Velho Testamento”, mostrando a unidade das Escrituras.
(iii) A ordem é “apóstolos e profetas” porque foram os apóstolos de Cristo que levam as profecias do Velho Testamento na sua pregação do evangelho. Logo, a ordem não é a da história mas a da pregação: os apóstolos pregando as profecias.

Apesar de toda esta argumentação, permanece o fato que o contexto exclui os homens do passado. O mistério a que Paulo se refere não envolve as profecias todas, mas, sim, um aspecto específico: o fato que os gentios herdariam as promessas com os judeus (Ef. 3.6).

Existem outros textos que afirmam o valor do Antigo Testamento e também sua unidade com o Novo Testamento, mas aqui não parece que Paulo pensava na Bíblia como livro, mas na comunidade cristã como fruto da pregação da mensagem do evangelho.

Logo, os profetas mencionados são apenas os profetas cristãos que, juntamente com os apóstolos, eram os portadores da revelação cristã.

Quem são os apóstolos? Trata-se dos Doze apenas ou se pensa em um grupo maior?

“Apóstolos” nestes três textos de Efésios onde aparece próximo da palavra “profetas” (2.20; 3.5; 4.11) aparenta ter um uso mais abrangente do que o que Paulo normalmente usa (BRUCE, 1984, p. 304). Nestes versos, o termo “apóstolos” chega a incluir todos os de “categoria apostólica” como Tiago (Gl 1.19), os que testemunharam a ressurreição (1Co 15.7), Andrônico e Junias (Rm 16.7). Não é um conceito de “apóstolos e profetas” tão aberto e geral como o que se encontra no Didaque 11-13, mas não tão fechado como aquele que se aplica apenas aos Doze (LINCOLN, 1990, p. 153).

No Novo Testamento, o termo grego que traduzimos como “apóstolo”, ἀπόστολος, pode ser usado em uma variedade de formas, exemplificadas abaixo:

(i) Os Doze: Lucas 6.13.
(ii) As mais antigas testemunhas da ressurreição: 1Co 15.7 (veja que os Doze já tinham sido mencionados em verso 5).
(iii) Paulo: 1Co 15.9.
(iv) Os missionários cristãos: At 14.14. (como Didaque 11-13).
(v) Qualquer tipo de enviado: 2Co 8.23.

Aqui em Efésios 2.20 e 3.5, dado o caráter fundacional e único da revelação mencionada, Paulo deve estar se referindo aos três primeiros itens da nossa lista: os Doze, as antigas testemunhas e o próprio Paulo, que tinha certeza de seu apostolado.

Em Efésios 4.11, embora o texto pudesse ser entendido dentro de um processo onde o apóstolo é o missionário que trouxe o evangelho, parece mais natural supor que os apóstolos e profetas são os agentes da revelação, o evangelista é o que inicia as novas comunidades, e os pastores-mestres são os que cuidam do rebanho.


REVELAÇÃO      EVANGELIZAÇÃO       EDIFICAÇÃO

Assim, os apóstolos e profetas mencionados pelos três textos de Efésios podem ser os mesmos: os agentes da revelação cristã. Inclui os Doze, mas também homens que testemunharam a ressurreição, como Tiago, e até Paulo.

Que tipo de ligação gramatical e teológica há entre os apóstolos e profetas no texto proposto? A tradução de “profeta-apóstolo” é possível?

De fato, os versículos 2.20 e 3.5 tem uma estrutura gramatical que de alguma forma une os dois termos em uma unidade. Há um artigo apenas “unindo” duas palavras:

          dos    apóstolos      e     profetas
         τῶν ἀποστόλων καὶ προφητῶν

O fundamento é um só, logo, os responsáveis por revelar este fundamento são uma unidade (TAYLOR, 2000, p. 203-204), são os agentes divinos da revelação do evangelho, que trata de Jesus, a pedra de esquina, a pedra angular ou a pedra fundamental.

Jamielson, Fausset e Brown, (1961, p. 1286) propõem unidade doutrinária dos apóstolos e profetas pela construção grega. Eles são unidos na pregação da mesma revelação.

Contudo, contra tudo isto, o renomado teólogo Wayne Grudem (2004) em uma obra inteiramente dedicada ao dom de profecia usou esta construção gramatical para dizer que ao invés de traduzir “apóstolos e profetas” o texto estaria dizendo “apóstolos-profetas”, ou em outros termos, “apóstolos que também são profetas”.

Embora a proposta dele seja de conciliação entre os que creem que os dons milagrosos cessaram (cessacionistas) e os que creem que estes dons persistem hoje (não-cessacionistas), há muitos defeitos e problemas em sua argumentação (FARNELL, 1991, p. 157-179).

O apelo equivocado dele de regras gramaticais gregas é um dos pontos mais problemáticos de sua abordagem. Ele tenta usar uma regra gramatical chamada “Regra de Granville Sharp” que trata deste tipo de construção, contudo, não utiliza corretamente.

A “Regra geral de Granville Sharp” pode ser sumarizada abaixo:

“Quando o KAI copulativo conecta dois substantivos no mesmo caso, se o artigo HO ou qualquer um de seus casos preceder o primeiro dos referidos substantivos ou particípios e não for repetido antes do segundo substantivo ou particípio, esse último sempre se relaciona com a mesma pessoa que é expressa ou descrita pelo primeiro substantivo ou particípio; Ou seja, denota uma descrição adicional da primeira pessoa” (DANA; MANTEY, 1957, p. 147)

Farnell, que faz uma longa crítica a Grudem, observa o seguinte sobre o uso de Grudem da Regra de Granville Sharp:

“... muitas estipulações menos conhecidas da regra de Sharp são muitas vezes ignoradas. Estas devem ser atendidas se os dois substantivos na construção forem aplicados à mesma pessoa. Os quatro são (1) ambos os substantivos devem ser pessoais; (2) ambos os substantivos devem ser substantivos comuns, ou seja, não nomes próprios; (3) ambos os substantivos devem estar no mesmo caso; e (4) ambos os substantivos devem ser no singular. Sharp não delineou claramente essas estipulações em conjunto com sua primeira regra, de modo que a maioria das gramáticas são ambíguas nessas áreas” (FARNEL, 1991, p. 165)

A quarta regra não foi obedecida. O fato de “apóstolos e profetas” estarem, ambas, no plural, faz com que a tentativa de usar a Regra de Granville Sharp para identificar os apóstolos com os profetas seja uma tentativa equivocada.

Além disso o gramático Daniel B. Wallace (2009, p. 284-286), analisando a interpretação de Grudem à luz de um estudo refinado da Regra de Granville Sharp, mostrou os equívocos da identificação do profetas com os apóstolos em Efésios 2.20.

Logo, a tradução “apóstolos-profetas” ou “apóstolos que são profetas” não é possível.

Assim, a frase unindo os “os apóstolos e os [outros] profetas” (WALLACE, 2009, p. 286) pode ser entendida de dois modos (WALLACE, 2009, p. 284-286):

(1)         Os apóstolos são um grupo e os profetas são outro: o fato de haver um único artigo não remove a distinção entre os grupos.
(2)         Os apóstolos são um subconjunto dos profetas, pois todo apóstolo é também profeta, mas nem todo profeta é apóstolo.

Enfim, os apóstolos e profetas, dois grupos diferentes na igreja antiga (Ef 4.11) estão no fundamento da igreja, pois são os primeiros agentes da revelação.

O que este texto ensina sobre a possibilidade da existência atual de “apóstolos” e “profetas” nas igrejas de Cristo?

Não há possibilidade de lançar de novo o fundamento que já foi posto. A revelação do mistério já ocorreu. Esta é a grande ênfase de Efésios 2 e 3. Logo, assim como Cristo, a pedra angular já é fundamento da igreja, assim também a revelação do evangelho feita pelos obreiros originais já acabou. (CLARK, 1989, p. 367–368).

No sentido bíblico de profeta como porta-voz de Deus, não os temos mais, assim, como que apóstolos como testemunhas da ressurreição, não os temos mais.

Temos pregadores que atuam semelhantemente aos profetas, mas não são profetas no sentido estrito do termo. Temos missionários e testemunhas da obra de Cristo, mas não são apóstolos no sentido estrito.

O erro de Wayne Grudem (2004) é exposto no artigo de F. David Farnell (1991). Ela observa cinco grandes erros da tradução “apóstolos-profetas” na teoria de Grudem:

(1)         Erro gramatical na aplicação da Regra de Granville Sharp.
(2)         Erro na disjunção da profecia do Novo Testamento com a profecia do Velho Testamento.
(3)         Erro pela desatenção ao prestígio dos profetas do Novo Testamento.
(4)         Erro pelo entendimento equivocado da necessidade de avaliação da profecia do Novo Testamento.
(5)         Equívoco sobre a identificação dos avaliadores dos profetas do Novo Testamento.

De fato, em nosso ponto de vista, Farnell (1991) está correto em corrigir Grudem nos primeiros três itens. Contudo, no dois últimos ele também necessita de correções.

Senti falta no artigo de Farnell, por exemplo, da citação de 1Tessalonicenses 5. 19-22 onde os profetas são avaliados por toda a igreja e não apenas por outros profetas. Este texto obrigaria rever a sua tese que apenas os profetas julgam outros profetas.

Parece que o problema, tanto de Grudem como de Farnell é o de assumir uma “autoridade” para apóstolos e profetas que, na verdade, não foi concedida a nenhum deles. Este é o grande equívoco. Tanto apóstolos como profetas, incluindo profetas do Velho Testamento, deveriam ser examinados por todos os ouvintes e não eram “autoridades infalíveis” como se costuma afirmar (1Co 14.29; 1Ts 5.19-22; 2Pe 2.1; 1Jo 4.1-6; Jd 4; Ap 2.2, 20).

Moisés estabeleceu que os profetas fossem testados pela comunidade e não apenas por outros profetas (Dt 13.1-5; 18.21-22). É claro que quando o profeta falava por Deus, suas palavras requeriam obediência completa, pois eram as palavras de Deus (Dt 18.15-19), contudo, mesmo assim o texto seguinte fala de testar os profetas pois sempre existiriam falsos profetas (Dt 18.20-22).

O problema de Grudem com sua tese de “apóstolos-profetas” que seriam infalíveis conta os “profetas-comuns” que seriam falíveis, cria categorias artificiais que não se encontram nos textos e nem na história bíblica.

Além disto, a necessidade dele afirmar que uns são infalíveis e outros não ocorreu para aceitar os profetas modernos do movimento carismático, pentecostal e neopentecostal sem ter que abrir mão de um cânone bíblico fechado. Caso contrário, os novos profetas nos dariam novos volumes de escritos para a igreja.

Contudo, as preocupações com: (i) a formação e aceitação do Novo Testamento como cânon cristão, e (ii) a necessidade de preservar espaço para algum tipo de profeta não estão no texto de Efésios e nem na mente de Paulo: são evidentes anacronismos teológicos. Problemas modernos são retroprojetados ao antigo texto bíblico que nada afirma sobre eles.

Conclusão:

Enfim, o que o texto de Efésios 2.20 juntamente com 3.5 afirma é que o mistério do evangelho da salvação de todos em um único corpo foi revelado pelo ministério dos apóstolos e dos profetas cristãos primitivos e que estes dois grupos se relacionam com unidade neste aspecto: lançam ou formam um único fundamento no qual Jesus tem o principal papel.



BIBLIOGRAFIA CITADA
BENGEL, John Albert. Gnomon of the New Testament – Vol. 4. Edinburg: T. & T. Clark, 1877.
BRUCE, F. F. The The Epistles to the Colossians, to Philenon, and to the Ephesians. Grand Rapids: Eerdmans, 1984.
CLARK, Andrew. Evangelical Review of Theology, 13, (1989) p. 367–368.
DANA, H. E.; MANTEY, Julius R. A Manual Grammar of the Greek New Testament. New York: MacMillan, 1957.
DICKSON, Roger E. International New Testament Study Commentary. USA: Churches of Christ, 1987.
FARNELL, F. David. “Fallible New Testament Prophecy/Prophets? A Critique of Wayne Grudem’s Hypothesis” The Master’s Journal v.2 n.2, Fall 1991, p. 157-179. Sun Valley, CA: Master’s Seminary.
GRUDEM, Wayne. O dom de profecia: do Novo Testamento aos dias atuais. São Paulo: Vida, 2004.
JAMIELSON, Robert; FAUSSET, A. R.; BROWN, David. Commentary Practical and Explanatory on the Whole Bible. Grand Rapids: Zondervan, 1961.
LENSKI, R. C. H. The Interpretation of St. Paul’s Epistle to the Galatians to the Ephesians and to the Philippians. Minneapollis: Augsburg Publishing House, 1961.
LINCOLN, Andrew T. Word Biblical Commentary – Ephesians. Dallas: Word, 1990.
MARTIN, Alfred “Efésios” In: PFEIFFER, Charles F; HARRISON, Everett F. Comentário Bíblico Moody. Vol. 5: Romanos à Apocalipse. São Paulo: IBR, 1983.
PATZIA, Arthur G. Efésios, Colossenses e Filemon: Novo Comentário Bíblico Contemporâneo. São Paulo: Vida, 1995.
SIMPSON, E. K.; BRUCE, F. F. Commentary on the Epistles to the Ephesians and the Colossians. Grand Rapids: Eerdmans, 1957.
ROBINSON, J. Armitage. St. Paul’s Epistle to the Ephesians. London: MacMillan, 1904.
TAYLOR, Willian Carey. Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego. São Paulo: Editora Batista Regular, 2000.
TURNER, M. “Ephesians” In CARSON, D. A.; FRANCE, R. T.; MOTYER, J. A.; WENHAM, G. J. (Orgs.). New Bible Commentary: 21st century edition.  4th ed. Leicester: Inter-Varsity Press, 1994.
WALLACE, Daniel B. Gramática Grega: Uma Sintaxe Exegética do Novo Testamento, São Paulo: Imprensa Batista Regular, 2009.
WEED, Michael R. The Letters of Paul to the Ephesians, the Colossians, and Philenon. Abilene: ACU Press, 1984.
WOOD, A. Skevington “Ephesians” In: BAKER, Kenneth L.; KOHLLENBERGER III, John R. Zondervan NIV Bible Commentary: Vol. 2 – New Testament. Grand Rapids: Zondervan, 1994.
WOOD, A. Skevington “Ephesians” In: GAEBELEIN, Frank E. (ed). The Expositor’s Bible Commentary: Vol. 11 – Ephesians through Philemon. Grand Rapids: Zondervan, 1981.


VERSÕES BÍBLICAS
Português
Efésios 2.20
NTLH - Vocês são como um edifício e estão construídos sobre o alicerce que os apóstolos e os profetas colocaram. E a pedra fundamental desse edifício é o próprio Cristo Jesus.
ARA - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular;
ARC - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;
TB - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo a principal pedra angular o próprio Cristo Jesus;
ACF - Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina;
A-IBB - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra da esquina;
JFA-Atualizada - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra da esquina;  
KJA - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo o próprio Cristo Jesus a principal pedra angular desse alicerce.
NVI - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo Jesus Cristo como pedra angular,
OLivro - esse povo que é como um edifício construído sobre o alicerce da mensagem pregada pelos profetas e pelos apóstolos, e do qual Jesus Cristo é a pedra principal de esquina, pela qual todo o edifício se alinha.
BJ - Estais edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, do qual é Cristo Jesus a pedra angular.
TEB - Fostes integrados na construção que tem como fundamento os apóstolos e os profetas, e o próprio Jesus Cristo como pedra mestra.
CNBB - edificados sobre o alicerce dos apóstolos e dos profetas, tendo como pedra angular o próprio Cristo Jesus.
AveMaria - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus.
Capuchinhos - edificados sobre o alicerce dos Apóstolos e dos Profetas, tendo por pedra angular o próprio Cristo Jesus.
Pastoral - Vocês pertencem ao edifício que tem como alicerce os apóstolos e profetas; e o próprio Jesus Cristo é a pedra principal dessa construção.
NovaPastoral - Vocês estão edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, do qual Cristo Jesus é a pedra angular.
Paulinas - edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra fundamental,
Peregrino - edificados sobre o alicerce dos apóstolos, com Cristo Jesus como pedra angular.

Efésios 3.5
NTLH - No passado esse segredo não foi contado aos seres humanos, mas agora, por meio do seu Espírito, Deus o revelou aos seus santos apóstolos e profetas.
ARA - o qual, em outras gerações, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, como, agora, foi revelado aos seus santos apóstolos e profetas, no Espírito,
ARC - o qual, noutros séculos, não foi manifestado aos filhos dos homens, como, agora, tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas,
TB - o qual, em outras gerações, não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora, tem sido revelado aos seus santos apóstolos e profetas no Espírito,
ACF - O qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas;
A-IBB - o qual em outras gerações não foi manifestado aos filhos dos homens, como se revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas,
JFA-Atualizada - o qual em outras gerações não foi manifestado aos filhos dos homens, como se revelou agora no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas,
KJA - Esse mistério não foi dado a conhecer às pessoas de outras gerações, mas agora foi revelado pelo Espírito aos santos apóstolos e profetas de Deus,
NVI - Esse mistério não foi dado a conhecer aos homens doutras gerações, mas agora foi revelado pelo Espírito aos santos apóstolos e profetas de Deus,
OLivro - verso 4 Podem assim perceber a razão do meu conhecimento particular de todas estas coisas referentes a Cristo e que eram como que um mistério, antigamente, para toda a gente, mas que Deus desvendou agora aos seus apóstolos e profetas.
BJ - Às gerações e aos homens do passado ele não foi dado a conhecer, como agora foi revelado ao seus santos apóstolos e profetas, no Espírito:
TEB - Este mistério, Deus não o deu a conhecer aos homens das gerações passadas como acaba de revelar agora pelo Espírito ao seus santos apóstolos e profetas.
CNBB - mistério que não foi manifestado nas gerações passadas. Só ultimamente ele foi revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas.
AveMaria - que em outras gerações não foi manifestado aos homens da maneira como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas.
Capuchinhos - que, não foi dado a conhecer aos filhos dos homens, em gerações passadas, como agora foi revelado aos seus santos Apóstolos e Profetas, no Espírito:
Pastoral - Deus não manifestou esse mistério para as gerações passadas da mesma forma com que o revelou agora, pelo Espírito, aos seus santos apóstolos e profetas:
NovaPastoral - Nas gerações passadas, esse mistério não se tornou conhecido das pessoas, como agora foi revelado no Espírito aos seus santos apóstolos e profetas.
Paulinas - Nos tempos passados, este não foi levado ao conhecimento dos homens como agora Deus revelou por seu Espírito aos seus santos apóstolos e profetas:
Peregrino - nas gerações passadas não foi dado a conhecer aos homens: agora, ao contrário, revelou-se a seus santos apóstolos e profetas inspirados.

Efésios 4.11
NTLH - Foi ele quem “deu dons às pessoas”. Ele escolheu alguns para serem apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e ainda outros para pastores e mestres da Igreja.
ARA - E ele mesmo concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres,
ARC - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,
TB - Ele deu uns como apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas, outros como pastores e mestres,
ACF - E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,
A-IBB - E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres,
JFA-Atualizada - E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres,
KJA - Assim, Ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres,
NVI - E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres,
OLivro - verso 10 Foi ele quem deu estes dons à igreja: os apóstolos, os profetas, os evangelistas, os pastores e os ensinadores,
BJ - E eles é que “concedeu” a uns ser apóstolos, a outros profetas, a outros evangelistas, a outros pastores e mestres,
TEB - E os dons que ele deu foram apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e docentes,
CNBB - A alguns ele concedeu serem apóstolos; a outros, profetas; a outros, evangelistas; a outros, pastores e mestres.
AveMaria - A uns ele constituiu apóstolos, a outros, profetas, a outros, evangelistas, pastores, doutores,
Capuchinhos - E foi Ele que a alguns constituiu como Apóstolos, Profetas, Evangelistas, Pastores e Mestres,
Pastoral - Foi ele quem estabeleceu alguns como apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas e outros como pastores e mestres.
NovaPastoral - E foi ele quem para alguns concedeu serem apóstolos, outros serem profetas, outros evangelistas, outros pastores e mestres.
Paulinas - Foi ele quem concedeu a uns serem apóstolos, a outros profetas, a outros evangelistas e a outros pastores e mestres,
Peregrino - A uns ele nomeou apóstolos, a outros profetas, evangelistas, pastores e mestres,











LISTA DAS ABREVIAÇÕES USADAS PARA IDENTIFICAR AS VERSÕES

NTLH –Nova Tradução na Linguagem de Hoje - SBB
ARA – Almeida, Revista e Atualizada no Brasil - SBB
ARC – Almeida, Revista e Corrigida - SBB
TB – Tradução Brasileira - SBB
ACF – Almeida, Corrigida e Revisada Fiel - http://biblia.com.br
A-IBB – Almeida, da Imprensa Bíblica Brasileira - IBB
JFA-Atualizada – João Ferreira de Almeida Atualizada - http://biblia.com.br
KJA – King James Atualizada
NVI – Nova Versão Internacional - SBI
OLivro – O Livro
BJ – A Bíbia de Jerusalém - Paulus
TEB – Tradução Ecumênica da Bíblia - Paulus
CNBB – Tradução da CNBB - CNBB
AveMaria – Bíblia Ave Maria – Ave Maria
Capuchinhos – Versão dos Padres Capuchinhos
Pastoral – Bíblia Pastoral - Paulus
NovaPastoral – Nova Bíblia Pastoral - Paulus
Paulinas – Bíblia Sagrada - Paulinas
Peregrino – Bíblia do Pergrino - Paulus


VERSÕES BÍBLICAS
Espanhol e Inglês
Efésios 2.20
Reina Valera 1909
Edificados sobre el fundamento de los apóstoles y profetas, siendo la principal piedra del ángulo Jesucristo mismo;
Sagradas Escrituras 1569
sobreedificados sobre el fundamento de los apóstoles y de los profetas, siendo la principal piedra del ángulo, Jesús, el Cristo;
King James Bible
And are built upon the foundation of the apostles and prophets, Jesus Christ himself being the chief corner stone;
English Revised Version
being built upon the foundation of the apostles and prophets, Christ Jesus himself being the chief corner stone;
King James Bible
And are built upon the foundation of the apostles and prophets, Jesus Christ himself being the chief corner stone;
Darby Bible Translation
being built upon the foundation of the apostles and prophets, Jesus Christ himself being the corner-stone,
English Revised Version
being built upon the foundation of the apostles and prophets, Christ Jesus himself being the chief corner stone;
World English Bible
being built on the foundation of the apostles and prophets, Christ Jesus himself being the chief cornerstone;
Young's Literal Translation
being built upon the foundation of the apostles and prophets, Jesus Christ himself being chief corner -stone,
Efésios 3.5
Reina Valera 1909
El cual misterio en los otros siglos no se dió á conocer á los hijos de los hombres como ahora es revelado á sus santos apóstoles y profetas en el Espíritu:
Sagradas Escrituras 1569
el cual en los otros siglos no se dio a conocer a los hijos de los hombres como ahora es revelado a sus santos apóstoles y profetas en Espíritu:
King James Bible
Which in other ages was not made known unto the sons of men, as it is now revealed unto his holy apostles and prophets by the Spirit;
Darby Bible Translation
which in other generations has not been made known to the sons of men, as it has now been revealed to his holy apostles and prophets in [the power of the] Spirit,
English Revised Version
which in other generations was not made known unto the sons of men, as it hath now been revealed unto his holy apostles and prophets in the Spirit;
World English Bible
which in other generations was not made known to the children of men, as it has now been revealed to his holy apostles and prophets in the Spirit;
Young's Literal Translation
which in other generations was not made known to the sons of men, as it was now revealed to His holy apostles and prophets in the Spirit --
Efésios 4.11
Reina Valera 1909
Y él mismo dió unos, ciertamente apóstoles; y otros, profetas; y otros, evangelistas; y otros, pastores y doctores;
Sagradas Escrituras 1569
Y él dio unos, apóstoles; y otros, profetas; y otros, evangelistas; y otros, pastores y maestros;
King James Bible
And he gave some, apostles; and some, prophets; and some, evangelists; and some, pastors and teachers;
Darby Bible Translation
and *he* has given some apostles, and some prophets, and some evangelists, and some shepherds and teachers,
English Revised Version
And he gave some to be apostles; and some, prophets; and some, evangelists; and some, pastors and teachers;
World English Bible
He gave some to be apostles; and some, prophets; and some, evangelists; and some, shepherds and teachers;
Young's Literal Translation
and He gave some as apostles, and some as prophets, and some as proclaimers of good news, and some as shepherds and teachers,